Fricassé do Abade

«- Vilaça, Vilaça – advertiu o abade, de garfo no ar e um ar de santa malícia – não se deve falar em latim aqui ao nosso nobre amigo… Não admite, acha que é antigo… Ele, antigo é…

– Ora sirva-se desse fricassé, ande, abade – disse Afonso – que eu sei que é o seu fraco, e deixe lá o latim…

O abade obedeceu com deleite; e escolhendo no molho rico os bons pedaços de ave, ia murmurando:

– Deve-se começar pelo latinzinho, deve-se começar por lá… É a base; é a basezinha!»

 Eça de Queiroz (1888, 2000). Os Maias. Episódios da vida romântica. Lisboa, Edição “Livros do Brasil”: 63

Nada melhor que inaugurar este espaço com um escritor português – Eça de Queiroz, e com um dos meus livros preferidos – Os Maias, romance que permanece actual, nomeadamente nas críticas mordazes que o autor vai tecendo à sociedade portuguesa.

Na página 63 da minha edição, descreve-se o jantar na Quinta de Santa Olávia por ocasião da visita de Vilaça a Afonso da Maia. O abade Custódio que participava do jantar aproveita a presença de Vilaça para arriscar falar sobre a importância da aprendizagem do latim relativamente à educação do jovem Carlos, posição esta contrária às vontades de Afonso da Maia e do preceptor inglês do rapaz, que defendiam primeiramente uma educação voltada para o exercício físico.

Assim, o Fricassé do Abade, não é mais nem menos do que uma adaptação do fricassé de aves – neste caso de frango – oferecendo-lhe porventura uma outra imagem e/ou conteúdo do domínio da ficção. Talvez o bom do abade Custódio se tenha deliciado com um fricassé parecido na imaginação de Eça, ou talvez o próprio Eça soubesse do fricassé que o esperava ao jantar após escrever aquelas páginas. Certo é que aqui em casa não sobrou nada do fricassé feito, nem de qualquer pedaço de pão embebido no seu rico molho…

Fricassé do Abade

(para 2 pessoas)

1 frango médio sem pele

1/2 cebola

margarina ou azeite

sal

pimenta

limões

vinho branco

1/2 caldo de galinha

farinha

1 gema

salsa

Tempere previamente o frango com sal e sumo de limão. Pique a cebola e leve a refogar numa panela onde juntou um pouco de margarina/azeite. Junte o frango aos pedaços até aloirar. Regue com vinho branco e água q.b.. Adicione o cubo de caldo de galinha, tape e deixe cozer em lume brando durante 15/20m* até o frango ficar tenro. Quando este lhe parecer macio, retire-o da panela e reserve. Dissolva 1 colher de sobremesa de farinha num pouco de molho que retirou da panela e após a dissolução junte ao restante molho, mexendo sempre para engrossar. Bata a gema com sumo de meio limão e acrescente-a ao molho sem parar de mexer para evitar que talhe. Rectifique os temperos. Disponha os pedaços de frango numa travessa e junte-lhes o molho rico. Polvilhe a gosto com salsa e acompanhe com puré de batata e uma salada de tomate.

Fricassé do Abade

*Usei uma panela de pressão para cozer o frango, uma vez que este era um frango de campo e demoraria mais tempo a cozer numa panela normal.

Bom apetite e boas leituras!

Outras tisanas:

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s